Tuesday, September 30, 2008

Cinzas

Olhos colocados sobre o dorso,
Olhos envoltos num poema;
Sentado o pó reintegra-se em imagem submersa
Dançando efémeras paródias;
Espalha-se na mão,
Povoando círculos.
Embriaga toques infinitos
Nas profundezas,
Sem que do altar vislumbre
O acordar do destilar.

É Outono no coração do concerto,
E escuto a cinza...

8 comments:

Blood Tears said...

A cinza no Outono rodopia em melodia e envolve a alma...

Blood Kisses

MagnetikMoon said...

A cinza é vida incessante nos desígnios de um sopro tímido e demorado no "tempo"...

Magnetikiss*)

DarkViolet said...

Blood Tears:

A Alma só poderá aquecer nas cinzas


MagnetikMoon:

Ela faz germinar remoinhos de sentimentos, percorre caminhos improváveis para o olhar

Alisson da Hora said...

cinzas, outono, melancolia...a queda, as folhas esvoaçantes...

abraços

Twlwyth said...

Uma estrada que encaminha até ao olhar. Os ramos da árvore envolvem os Seres na sua despida solidão.

DarkViolet said...

Alisson da Hora:

Todos esses pigmentos captam a Alma desta época


Twlwyth:

Até o Outono se despe dessa forma, escutando abismos profundos

Miosotis said...

... ou o olhar que 'vela' pelo 'caminhante'... tudo é possível!

É Outono sim, neste texto de poeiras submersas na paisagem! Sensível, ligeiramente doce, toque quente!

Sensibilizada pelo olhar 'silêncio' em 'fragmentos'!
Lamento o isolamento :(

Y.

... gosto profundamente da imagem! Leva-me a outros 'universos'...

DarkViolet said...

Miosotis:

Cada vez é mais Outono...
Cada vez é mais belo...
Cada vez penetra mais o odor das folhas...

Leva ao infinito