Tuesday, March 20, 2007

Carta

Caríssimo DarkViolet,

Venho comunicar-lhe ao sabor do vento que espeta os devaneios, os seus círculos amargos são tempero do granizo. Isto foi-me comunicado quando estava a engolir as ervilhas, uma por uma. Pode parecer-lhe algo doentio, mas cada uma delas tem uma expressão única, e além de ser única transmite mensagens de uma dimensão que não pode ser tocada por seres normais. Quando falo normal é no contexto dos seres que andam a deambular sempre da mesma forma. Uma média sem sentido nenhum, que se usa na normalização para deixar as pessoas na mesma caixa, e as outras em sítios que não façam ruído para os restantes. Após esta breve explicação de onde provém a comunicação vou passar à restante informação.
O granizo está a perfurar as rodas do tempo que tanto fale. Não deixa de ser verdade que andar com rodas furadas pode fazer com que o ruído seja uma melodia interessante. Neste caso faz-me comichão aos meus tremores. Quanto à amargura, o realismo deixa a bailar até à ponta de unhas não pintadas, a mostrar as tripas dos infiéis.
Não vou estar a divagar muito porque como sabe isso compete à sua pessoa. Embeleza demasiado a pureza que vai dentro da sua Alma, por isso prevejo nos seus olhos um corpo a espalhar pétalas aos amantes de outros seres. Queria apresentar a sua auto estima à loucura, a sua mente ao rio, e aí o seu sonho seria realizado. Eu sei qual é a sua maior fantasia. Sei sim. Apesar de nunca o dizer sei o que vai no baú de teias de aranhas. O silêncio mata-o Não uma morte qualquer, mas sim uma morte com um sorriso. Tudo passou a ser estatística na qual compete a si a modificação daquilo que não pode modificar.
Vou de encontro a si para lhe arrancar o coração. Não pergunte como o vou fazer, somente deixe que seja posto num caixão de gelo. Aí estará seguro... Por enquanto não tenho mais nada a registar por isso irei à sua procura. Sabe que não poderá escapar. Sabe disso não sabe?...Hummmmmm...

Comprimentos melancólicos,

Assinatura: DarkViolet
P.S.: Só mais uma informação...Os Type O Negative vão estar no Coliseu dos Recreios no dia 27 de Junho...Está pessimista ou "DEAD AGAIN"...

10 comments:

MagnetikMoon said...

"Podes fugir mas não te podes esconder":-),não fujas ao desejo que te alimenta o tédio!
Beijo

DarkViolet said...

MagnetikMoon:

Se o DarkViolet fugir não sei o que será de mim :D

Twlwyth said...

Caríssimo Darkviolet,

Seria possível abrir mais um pouco esse baú de teias de aranhas? :)

Klatuu o embuçado said...

Quero ver se não perco, apesar de nessa altura estar em Espanha... se eles não passarem por lá, venho cá eu.

Dark-me said...

Adorei esta carta! Estou confiante q Darkviolet nunca fugirá!! :)

E obrigada pela inform talvez apareça no coliseu :)

Dark kiss

Ariel d'Angouleme said...

Adorei...
A longa espera do que nós mesmos fabricamos...
E falava eu do silêncio como punição! Tão certamente a conheces...
A propósito da loucura... Vivamos assim...
Como uma amiga minha me disse em tempos idos: "Viva a Moria"...

Abraço.

Kraak/Peixinho said...

Darkviolet, naum estás a pensar em "arrumar" o blog, pois naum?

DarkViolet said...

Twlwyth:

Claro que dá para abrir mais o baú..Abrirei um pouco mais o baú com um "baloiço"...


Klatuu o embuçado:


É a primeira vez que vêm cá a Portugal. Uma bela oportunidade...

Dark-me:


Nunca fugirá dos seus valores apesar de muits vezes não serem compreendidos por ele próprio.


Ariel d'Angouleme:


O silêncio é uma loucura que embriaga o mar e faz as bolhas levitar noutra dimensão.


Kraak/Peixinho:


Ele já está "arrumado"...Só tenho que fazer umas decorações para ficar com outras cores :D

Miosotis said...

Bem, dark_violet o humor negro nunca foi meu prazer! Mas respeito!

Mt sensibilizada pelo olhar poisado em meu espaço! Vestes sempre um humor mais suave qd me visitas, o q agradeço! É sinal de ternura, seja ela qual for!

DarkViolet said...

Miosotis:


O texto que por vezes nos é apresentado, neste caso nos teus posts, leva a tocar terrenos que são essencialmente teus, por isso o humor tem que ser próprio das palvras que fluem nesse espaço. Há várias formas de ternura?...hummmmmm.....