Wednesday, October 15, 2008

Galhos de Tulipa

Ondular sobre a transparência, mordidela desconhecida, odor retalhado da nervura. Curvas oblíquas...
Quantos galhos existem numa nuvem? Galhos de escadas, Almas esculpidas ou a vertigem das folhas?

Fragrâncias da palma da mão com pedaços agregados ao suspiro, ancorados a um manto esplêndido de tulipas...Visão imaginária...

6 comments:

Blood Tears said...

Nervuras suspirada nas Almas que inalam as tulipas imaginárias.... Nas nuvens...

Blood Kisses

Alisson da Hora said...

"Quantos galhos existem numa nuvem? Galhos de escadas, Almas esculpidas ou a vertigem das folhas?"

quantos?quantas? os horizontes dos céus parece-me que nunca responderão tais perguntas...

soberbas imagens!

abraço!

MagnetikMoon said...

A túlipa e seus desígnios... sábio é o tempo desmembrado na transparência eléctrica dos gomos das folhas e das flores entreabertas... q se entrelaçam em dádiva serena.

Magnetikiss*)

Twlwyth said...

'um manto esplêndido de tulipas' Visão contagiante.

Miosotis said...

... li os dois 'posts' quase simultâneamente! A referência que fiz de 'último parágrafo' referia-se a este texto...

Distracções de uma janela poisada num lindo e tranquilo céu azul...
:)

DarkViolet said...

Blood Tears:

Fragrâncias voadoras do destino. Indefinição das pátalas, transparência da cor


Alisson da Hora:

Provavelmente não haverá resposta, mas existe as perguntas para inquietar as respostas;)
Captam-se imagens para os olhos encherem-se de beleza


MagnetikMoon:

O tempo demenbrana-se em galhos, floresce em rochas, semeia a mão, e o imaginário tritura uma brisa


Twlwyth:

Imagem que o manto faz um leito perfumando odores de galhos


Miosotis:

Aproveita o céu azul apesar dos galhos de nuvens serem sumarentos à vista