Wednesday, October 29, 2008

Loucur

O tronco desramado é a imaginação dum louco. Num deserto consegue encontrar a floresta mais densa, num lago mistura divagações para encontrar o silêncio, num grito retalha falésias de suspiros. Faz da ruptura uma energia que bebe sofregamente na concentração fértil das obscenidades.
O ritual aglomerado pela matriz alcançável do riacho infinito faz com que o veludo cobre somente a cicatriz da mão. Nessa viagem os dedos dançam no vento formando gotas de licor. Aí o louco sentencia os lábios no eterno resplandecer da fissura. Bebe desenfreadamente abrindo o fôlego à sua imensidão...

7 comments:

Lady Candlelight said...

Gostei imenso do teu blog,vou estar atenta e tentar segui-lo sempre que puder,vou por o link no meu blog...passa por la!

Bjs

Senhora das Águas said...

Fica se sem folego ao ler alguns textos teus... quando falarmos, digo te porque...beijo

DarkViolet said...

Lady Candlelight:

Obrigada.


Senhora das Águas:

É da falta de acentuação.

Blood Tears said...

Suspiros aveludados cobrem as cocatrizes da imensidão...

Blood Kisses

DarkViolet said...

Blood Tears:

As mãos sao os suspiros, desenham o que desejam

MagnetikMoon said...

O louco está nesta altura preparado para os prazeres que merece por atrever-se na sua jornada.E deleita-se em consonância com a Natureza que o abençoa.

Magnetikiss*)

DarkViolet said...

MagnetikMoon:

A natureza da borboletas, das pétalas roxas. Beber da essência na matriz, recolocar o tronco no lugar das folhas, loucos