Sunday, November 02, 2008

Loucu

Quando estagnado no horizonte nublado, circunda os remoinhos, rebola nas folhas, e quando chega a chuva sorri com as palavras do olhar. Pinta telas com a imaginação de outros loucos, utópicos nas paisagens resplandecentes.
Quando colocado na luz decadente do mundo, belo e imponente, partições que se juntam no patamar de poços deslumbrantes, ofusca o gelo revolucionando peripécias de artes decantadas.
Sente ambas de uma forma imaculada. Saltita arrepios no corredor das visões da cegueira, nas visões da infinidade. De repente no manicómio a sua escravatura transforma-se num vento áspero de delicadezas, imperceptíveis aos seus irmãos, muito menos aos “iluminados”.


7 comments:

Alisson da Hora said...

"vento áspero de delicadezas"

lindo, como um surto de loucura...

abraço!

Miosotis said...

... suponho que vagueias em loucuras de palavras...
imagens iluminadas pelo olhar 'de artes decantadas'!

Gosto da luz das teelights... suave, intimista, fragrante!

DarkViolet said...

Alisson da Hora:

Uma brisa que se embala e se recolhe, se faz espalhar e se retorna


Miosotis:

Um pequeno ensaio sobre a loucura. Quem olha para as velas procura a intensidade, o pigmento aromático da viagem...

A luz com a escuridão...

Blood Tears said...

A cegueira iluminada será talvez, a pior ilusão....

Iluminados o mundo à nossa volta..... Na nossa loucura esplendorosa!

Blood Kisses

DarkViolet said...

Blood Tears:

Isso é a mistura da escuridão com a luz, um estado ameno...Se assim fôr a maioria das pessoas vive na ilusão

MagnetikMoon said...

O louco ousou e uma platéia de seres etéreos vibra na chama das velas açucaradas:)...

Magnetikiss*)

DarkViolet said...

MagnetikMoon:

Velas debruçadas onde os "iluminados" tem um vazio quase completo de luz. Flutua a imaginação dos loucos