Wednesday, September 30, 2009

Carroça de Cordas

As portas estão manipuladas por cordas invisíveis, daquelas feitas de licores roxos envenenadas, tão saborosas que se abrem com a ventania do dorso das escadas. Incompreendido pela memória, o abre-latas chove poeiras sobre o papel, som entretido aos rascunhos das sementes do além. A carroça prepara-se com a tremenda vontade de a encher com magias, e com aquelas estaladiças divagações que fazem os sorrisos serem o palco dos voos saltitantes.

Imagem tirada da net

10 comments:

Nanny said...

Porque não usaste a navalha para cortar o papel...?

;-)

Beijoca

Claudya said...

Adorei. Você deveria vender sua arte. bjs

Ana Sofia said...

Gostei imenso da parte: "As portas estão manipuladas por cordas invisíveis, daquelas feitas de licores roxos envenenadas"... Quem será que manipula essas cordas? Serão armadilhas? Será destino, algo do além? Talvez possamos ver o invisível e arranjar um antídoto para o nosso envenenamento...
Beijinhos

Gothicum said...

...eu não digo cuidado com as cordas...mas sim quem mexe neles! Haja direcção!



Abraço.

Um Olhar said...

Como gosto de te ler... Deixo-te um forte abraço e os parabéns por este bonito texto.

Bjo
Fatima

MagnetikMoon said...

Os fios subtis alcançam as curvas do cenário, moldam os estrados e as alíneas.Assim, o ranger da porta é lume aconchegante para a cortina bailar:)

Magnetik*

DarkViolet said...

Nanny:

Tinha cordas afiadas por isso foi preciso ter cuidado:)


Claudya:

A venda implica haver qualidade ou leitores que gostam do que leêm;)



Ana Sofia:


Serão os dedos invisiveis que dedilham a fanatsia de retalhar o destino, aos poucos e poucos. O próprio envenenamento cria alucinações para a criação ser mágica, palcos de vibrações.

DarkViolet said...

Gothicum:

Ter toques subtis para demonstrar que as escadas sejam perfis que tragam alento à Alma


Um Olhar:

Obrigada. Semrpe que as cordas vivram sai arrepios de magia


MagnetikMoon:

A dança das cordas faz soltar saltitantes voos até mergulhar um palco onde os sentidos podem escutar a ventania do dorso das escadas

Frankie said...

Desconcertantes como sempre, as tuas palavras...
E, no entanto, dou por mim a sorrir ao lê-las, como uma criança ansiosa, aninhada em frente ao palco improvisado de um teatro de marionetas :)

Beijo, menino*

DarkViolet said...

Frankie:

Um dia os Seres irão rir ao gosto da chuva quando as gotas soletrarem as cordas do destino, basta que os fios toquem as notas das marionetas