Friday, January 05, 2007

Uivo

Fazem tertúlias em mesas redondas...
Para Arder os olhos nos encontros
À espera de mãos cruzadas
A abraçar o sossego...
A roda das cabeças com tormentos
Chega a saltitar na invertida imagem, miragem...
Demorar o suspiro alimenta o peito enigmático
E da meiguice fico isento,
Voando resguardado num assento.

Num uivo de Lobo que esperneia
Cheio de brandura na colmeia
Forma-se visões com fissura de teia

7 comments:

Anonymous said...

'... e da meiguice fica isento'- um verso q me fez parar!

Sensibilizada pelo teu olhar em meu espaço.

bjs

Anonymous said...

primeira vez no blog
gostei bastante
e também eu gostava de abraçar o sossego...
bjs
até já

Lord of Erewhon said...

As tertúlias nem são más de todo, depende de quem se senta à mesa...

Abraço e um auspicioso Ciclo Novo do Tempo!

Ariel d'Angoulême said...

Muito interessante...
As palavras criam um contraste intenso de duas realidades... o que é e o que poderia ser...
Pelo menos, assim o interpreto...
Muito bom mesmo...

Twlwyth said...

Miragem de um misterioso lamento ou imagem de um suave tormento? Espero que já não estejas isento de meiguice. Beijos

Mr_Lynch said...

Darkviolet;
A tua poesia renova-se em cada trabalho o que é de facto surpreendente.
Abraço

DarkViolet said...

Miosotis:

Por vezes ficamos parados sem realmente os estarmos

borrowing me:

O sossego deixa as asas voarem para trovões desconhecidos

Lord of Erewhon:

E se a mesa se senta o tempo aí é possível que a eternidade se aninha aos pés do fogo...


Ariel d'Angoulême:

Salpicos a uivar pelas escadas abaixo


Twlwyth:

Toque duma aragem no meio da folhagem. A meiguice é como a foice, vai e volta...


Mr_Lynch:


Supreendente é também ter que voar com asas de folhas secas :D Mas que belas são essas folhas...