Tuesday, November 10, 2009

Puro Vento

A Alma é rasgada no Outono, no corredor empolgante das ventanias. As folhas virgens abrem-se à mistura fervente, o manto enlaçado das telas gemem, a vida brota em faíscas saboreadas pelos loucos insanos. Na ferrugem dos castanheiros o nome do vento desdobra o horizonte, das costas inflamadas ao dorso orvalhado, ao instante sentido no posterior anterior momento.
Dança o toque das madeiras assombradas nos dedos embebidos de licores, cada sulco de tempo é misturado naqueles que perante a fonte sabem escutar, entranhar as gotas do fluxo, visões alucinantes dos Seres inquietantes com o transbordo da leveza.
A pontiaguda inocência é a Alma rasgada, ouçam.


Algures em Portugal

8 comments:

Frankie said...

A última frase é uma pérola; volta e meia tens uns lampejos de genialidade!

;)*

Miosotis said...

Um texto poético rico de sensibilidade!
Sinestesias se mesclam nas fragrâncias das palavras que apelam ao Outono!

As fotografias, não 'transparecem' vento, mas são belas mensagens de tempos que atravessamos.

Sensibilizada pelo olhar em 'fragmentos'!

Um Olhar said...

Uma sensível escrita e particular a tua...Um conjunto de letras fortes e reais.
O que continuo a apreciar na tua escrita é a originalidade do sentir, (ser).
Parabéns sinceros!

Bjo
Fatima

Spidraphile said...

lindissimo:)

VANUZA PANTALEÃO said...

As folhas que se abrem por misturas ferventes e nós a pensar que na natureza tudo se dá gratuitamente. Esse texto belo e forte desfaz essa ilusão.
Parabéns, amigo!!!

VANUZA PANTALEÃO said...

As imagens são um Poema à parte...

A. Reiffer said...

Belíssimas imagens acompanhadas de profundos textos!

DarkViolet said...

Frankie:

Nem todos os génios sabem questionar o Outono, e de lá serem levados sem ter o licor nas faíscas. alguns conseguem.obrigada


Miosotis:

O outono tem uma profundidade tão embriagante que contagia a Alma antes de ser retalhada pelo sopro. Fotos na busca do Ser.Obrigada


Um Olhar:

Quando se escreve a pensar ou a sentir algo de generoso terá qeu sair pela corrente dos dedos.obrigada



Spidraphile:

obrigada


VANUZA PANTALEÃO:

Queria que fosse uma continuidade mas parece que nao consegui exprimir tal acto. A profundidade do Outono é imensa!


A. Reiffer:

Eles que dançam um com o outro para ver se pode fazer uma lareira :) obrigada