Saturday, August 14, 2010

Crónicas duma viagem VII

Hoje dispo-me sobre teu rio
Deixo o fluxo trilhar o amanhecer
Até sentir o escaldar da varanda aberta ao Luar.

Com as portas entre abertas ao fluxo
Arranho os sopros das brisas,
Deixo teus troncos arrancar-me o coração,
Depositá-lo dentro do tempo que floresce.

No manto nublado dos teus poros
Fazes estremecer a ventania,
E eu aqui sentado, contemplo as pétalas que me ofereces,
Até os olhos talhar a magia.


Rio Vltava- Praga

6 comments:

Mr. Lynch said...

Darkviolet;
Praga!!! Uma cidade que jamais esquecerei.
Uma viagem a repetir... sem dúvida!
Um abraço

Aмbзr Ѽ said...

achei lindos seus versos, a imagem divina,

http://terza-rima.blogspot.com/

Mr. Lynch said...

Darkviolet;
Sim, Praga é de facto uma cidade muito bela. Foste ao cemitério dos judeus? Penso que se trata de uma paragem obrigatória.

Fatima said...

Praga... não conheço mas a avaliar pelas fotos deixadas fica na minha favorita cidade a visitar.

Bjo
Fatima

Miosotis said...

... Praga, não conheço! Mas bela pela poética paisagem de palavras aqui poisadas!

DarkViolet said...

Mr. Lynch:

Uma cidade que embriaga o Ser e o faz embalar nas suas belezas. Vi o cemitério do judeu. aquilo parece um amontoado de lápidas :)


Aмbзr Ѽ:

Os versos sao sempre a nudez da Alma


Fatima:

Uma cidade que transmite uma pulsação especial


Miosotis:

Todo o lugar que transmita, transpira. é uma questão de iniciars a viagem e voar até lá;)