Thursday, April 16, 2009

Noite Branca

Noite branca de trovões entrelaça o estrondo.
Aqui no meio das gotas espalha-se a cor das brumas.
Ali no manto do vento recolhe-se o cântico das silhuetas.
Dia escuro de raios afasta o silêncio.

8 comments:

Alisson da Hora said...

"Dia escuro de raios afasta o silêncio".


guardei o verso pra pensar...pensar muito...

Mr. Lynch said...

DarkViolet;
Noites brancas ou noites negras... Misteriosas e belas.
Como alguém dizia: «nightime is my time».
Abraço

MagnetikMoon said...

Permanente o som que provoca erupções no véu...

Magnetikiss;)

Gothicum said...

Ando há procura de uma noite branca...como ando...ultimamente por estes lados, as noites fazem jus à minha vestimenta.Abraços

Klatuu o embuçado said...

Belo poema; devias investir mais no verso.

Abraço.

DarkViolet said...

Alisson da Hora:

Não te quero fazer arder em pensamentos;)


Mr. Lynch:

A noite abraça mistérios, tal como o silêncio


MagnetikMoon:

Com o véu transparente o nevoeiro é o manto do vento, silêncio ardente da noite


Gothicum:

Sofrer a metamorfose da cor para que a esperança seja regada no prazer da noite


Klatuu o embuçado:

Vai tudo na onda do prazer, do momento cantado aos salpicos dos remoinhos

bat_trash said...

É o gritar da natureza.

Beijos.***

DarkViolet said...

bat_trash:

É o manto de Almas cobertos da suavidade da noite, ventania acolhedora