Thursday, October 15, 2009

Monólogo

Quando na fronteira das mesas redondas os olhos cruzam murmúrios, existe a inquietação dos caracóis num deambular fumegante das acções. O sopro do instinto consegue perfurar o algodão salpicado, em infinitos instantes, em efémeras gotas ardentes. Consegue-se aos poucos vislumbrar a chama do sossego, a conversa do silêncio com ele próprio, o bater dos raios fulminantes na dobradiça das rodas esvoaçantes. A carcaça do tronco esbelto dedilha mantos na casca dos ponteiros, pousados nos berlindes coloridos da mente.
Por isso cada veia do Ser jamais está mergulhado num monólogo, alimenta-se e sacia-se sempre do labirinto na borda selvagem das pontes com as correntes de licores escavadas ao relento da nudez.

Imagem tirada da net

10 comments:

Mr. Lynch said...

DarkViolet;
Senti um sossego desassossegado ao ler este monólogo.
Brilhante, como sempre.

Lord of Erewhon said...

Porto gótico e caracóis é uma profanação violenta... :)=

Abraço!

A. Reiffer said...

O último parágrafo arremata magnificamente.

Pearl said...

Gosto sempre de assomar-me para este teu mundo...

beijos

VANUZA PANTALEÃO said...

Darkviolet,
Que texto instigante!
Daqui, onde estou, ouvi os murmúrios do inconsciente selvagem e escavando o meu interior...pode não ser sossego, mas é a busca, o que importa é buscar.
Sinto um prazer inquietante ao ler seus posts. Gosto de pensar com eles.
Obrigada, amigo!!!

Lord of Erewhon said...

P. S. Quem é o autor da tela?

Um Olhar said...

Vejo que continuas com uma inspiração feroz que não poupa palavras e talento.

Bjo
Fatima

DarkViolet said...

Mr. Lynch:

São os ponteiros a fazer o destino folhas da estações. Obrigada


Lord of Erewhon:

Imagina se tivesse cruzes, sepulturas, e escritas em pedras fumadas;) Não sei de quem é. Encontrei o quadro em pesquisa de imagens, não havendo referência ao autor. Se souberes poderás me dizer que colocarei o autor


A. Reiffer:

Tudo reunido no fim para lá a mente repousar em turbilhoes de agitação


Pearl:

Em cada mundo de cada Ser existe algo para descobrir, é o vento a escalar dessassosegos

DarkViolet said...

VANUZA PANTALEÃO:

Ir sempre no trilho a esvoaçar a vontade de saciar. Convém não pensar muito neles, ou pensar numa maneira racional


Um Olhar:

é pegar somente em algo e divagar em subtilezas do qual se obtém um licor de sabores

Lord of Erewhon said...

Eu conheço o estilo, mas não me recordo. É meio parecido com os desenhos do Tim Burton... mas é doutro gajo.