Thursday, February 05, 2009

Banquete de Esterco

Rapaz sem jeito algum vs Rapaz com jeito algum

A espera lúcida, um colar requintado, anéis falseados, brincos de cores amaldiçoados. Há carne pendurada, esturricada, feita em carvão; Incenso a fumegar os olhos, lágrimas recolhidas na pedra cavada; cordas enlaçadas na forma e conteúdo de brasas; escritos dactilografados com o sangue a pingar; cabelos esticados, cortados ao som do machado de lâmina mal afiada...
Assim é o cenário. Contemplar, apreciar o banquete para a cambada de esterco que povoa as esquinas a deitar fumo nauseabundo.

12 comments:

Alisson da Hora said...

O mundo está ainda fadado a ser um monte de merda, se é que tu me entendes...

só poucos é que conseguem ficar longe de tanta mediocridade, de tanta coisa grotesca...

abraços

bat_trash said...

é um vômito na escarradeira....:)

Bat Kiss.

Filipa Alexandre said...

Um dos encontros decorreu na Exponor este fim de semana, o outro encontro a que me refiro é promovido pela Alcultur e decorre em Março em Lagos.
Cumprimentos
Filipa Alexandre

Fragmentos Culturais said...

... forte e desencantado!
Andamos alguns, sim, andamos! Desencantados!

Pelo olhar em 'fragmentos', sensibilizada!

Gothicum said...

"A avareza é um tirano bem cruel; manda ajuntar e proíbe o uso daquilo que se junta; visita o desejo e interdiz o gozo. "
(Plutarco)


Nem sei o que te diga… às vezes eu sou esse rapaz com alguma coisa ou sem coisa alguma… vendo e repastando no esterco desta hipocrisia barata dos que por aqui vivem:

Piedade Negra said...

A raiva cresce...
puxando por mim
alimenta-se dos desejos gorados.

Sinto um formigueiro nos dedos das mãos
que se alastra sem reservas.

Rio-me sentido-me um deus vingador.

Os músculos ganham novo vigor
a mente agarra o destino
a brutalidade permeia os ossos.

O hino à batalha ecoa, fruto da imaginação
não há pausa, não há piedade
apenas a dor de desejos frustrados.

Angelical Algum said...

Vendo aventuras por entre as nuvens
voo subitamente como a tempestade.
Tentando agarrar uma emoção,
o equilíbrio torna-se ténue como uma brisa...

Sentindo a música que me chama
olho para a figura imaginada.
Tentando tocar o branco,
a vontade torna-se férrea como calor de verão!

Ouço o chamamento ao longe,
não sei como lá chegar.

Contemplo apenas...

Pearl said...

Acredito na recuperação do lado mais escabroso do mundo particular de cada um, só esse deve importar...porque o outro...está descontrolado!

beijinho

MagnetikMoon said...

Desmembrem-se os arqueiros da infâmia descolorada!Acendam-se as tochas para o sacrifício dos estreitos fios de cabelo de cérebro dos pretensos arqueiros!:D

Magnetikiss;)

Valquíria said...

Tentamos descartar-nos da crueldade porque pensamos ser imunes à mesma. Mas não somos.

Kisses

DarkViolet said...

Alisson da Hora:

É dificil tanta astracçao desse mundo. O sopro vem sempre em direcçoes nao desejadas


bat_trash:

é o mais do mesmo :D


Filipa Alexandre:

Obrigado!


Fragmentos Culturais:

Resta haver sempre feitiços por aí espalhados para dar outros tons as cores


Gothicum:

Correr e nao puder escapar. Resta a essência de saber o caminho mais delicado para o Ser

DarkViolet said...

Piedade Negra:

Que a dor se acumule para dar asas à liberdade


Angelical Algum:

A contemplaçao seja de um banquete de vontade num estado melhor, mais perto da tela do coração


Pearl:

Se cada um fizesse seu papel haveria um mundo muito melhor, mais capaz de reagir as adversidades, de laminar o tronco da essência


MagnetikMoon:

Isso soa a tortura e os arqueiros por vezes tem tanta má pontaria acertam neles próprios;)


Valquíria:

Sim, todos somos cruéis, resta é saber se cada um tem consciência da sua própria crueldades!