Wednesday, June 10, 2009

Chuva Rasgada

Trucidado dentro da semente a aresta da flor germina, bordado num aflito corredor escuta-se o murmúrio do crescimento, vozes atormentadas pelo vento a trovejar o gotejar da cerimónia. Assim desaba a energia flutuante do céu sobre a natureza acolhedora, sopros de trovões a tilintar um harmonioso festival de silhuetas, além da imaginação, perto da humildade afectuosa.

14 comments:

Selenyum said...

Eu estou farto da chuva... Nem quero ouvir falar nela.

DarkSoul... said...

http://www.youtube.com/watch?v=9MvU1klaVTM

Oliver Pickwick said...

Gênesis, segundo DarkViolet. Linguagem preciosa e enigmática para relatar origens.
Um abraço!

Mr. Lynch said...

DarkViolet;
O incómodo dos espaços fechados, o terror dos espaços abertos. Uma perfeita sintonia soou-me à mente ao ler estas tuas palavras.
Um abraço

Gothicum said...

"A natureza não faz nada em vão."
(Aristóteles)


...já sentiste alguma vez a chuva a bater-te na alma? Lá dentro, bem no fundo de ti? Abraços.


Ps: ...esta semana só a senti no corpo...e nem imaginas como...tipo pito molhado!

Alisson da Hora said...

Adoro chuva, sempre...

linda imagem!e lindas imagens que tuas palavras fabricam...


abraço

Lúcia Machado said...

Se me permite...

"Somos valsa de pião, somos salto de bola;
Ao homem em vigília ou quando o sono nasce
Sempre a curiosidade arrasta e desconsola,
Como um anjo cruel que as estrelas lanhasse.

Fortuna singular de fim sempre em mudança,
E estando sempre ausente, está em todo lugar!
Em que o homem que jamais nela perde a esperança
Só vive a perseguir e quase a delirar.

A nossa lama é trirreme a procurar Içaria;
Sobre a ponte uma voz percute: “abre o olho!”
E, da gávea, outras voz grita, ardorosa e vária:
“Amor!, Glória! Ventura!” Inferno! Era um escolho!

Cada ilhota que vê o homem pela vigia
É Eldorado a surgir feito promessa vã!
Mas a imaginação que se perde na orgia
Só descobre um recife ao nascer da manhã.

Ó pobre sonhador de religiões tão quiméricas!
É preciso prender ou deixar solto ao largo,
O marinheiro ebriado, inventor das Américas,
Cuja miragem torna o pego mais amargo?

Os pés postos na lama, o velho vagabundo,
Sonha, o nariz ao ar, paraíso fagueiro;
E vê o seu olhar uma Cápua no mundo
Toda vez que uma vela ilumina um pardieiro."

(Charles Baudelaire)

Ao ler o que escreveu, lembrei-me deste Poeta que adoro...tem qualquer coisa de...

Um Olhar said...

"desaba a energia flutuante do céu sobre a natureza acolhedora, sopros de trovões a tilintar um harmonioso festival de silhuetas"

Por vezes, quando leio um texto, deparo-me com passagens que considero mágicas... Esta tua frase é um desses momentos, e porque me chegas assim, de uma forma mágica, não poderia deixar de to dizer... Parabéns e bom fim de semana.

Bjo

Fatima

AnaLuísa said...

é espantoso como tu descreves uma coisa aparentemente simples.

«Assim desaba a energia flutuante do céu sobre a natureza acolhedora»

gosto mesmo deste blog. *

DarkSoul... said...

Olá....sem querer o comentário foi apagado....lamento muito:(((...não sei como aconteceu...
Desejo uma noite serena e que a luz das estrelas iluminem os sonhos....

Dark kiss*

DarkViolet said...

Selenyum:

A chuva tem o erotismo entranhado nela, quando acompanhado pela nevoeiro consegue fazer arco iris:) O sol só provoca espirros ehehehe


DarkSoul...:

A chuva contagia a Alma. Saber a sentir em todo os seus contornos requer abrir os sentidos. A chuva é uma solidão acolhedora, por isso é preciso "conversar com a chuva"



Oliver Pickwick:

Relatar ao pormenor e nele cair no remoinho de soletrar cada emoção transmitida, considero tal um acto puro


Mr. Lynch:

A chuva ajuda à libertação, aquele perfume a tilintar numa cerimónia de trovões flutuantes, deixar espalhar a harmonia


Gothicum:

Tento sempre, não sei se consigo cada vez que o faço. olhar para ela, deixar que ela rasgue o corpo, ou voar na gota que sulca as folhas..muitas emoçoes ela transmite
às vezes ela é inconveniente mas isso é devido a sua timidez:)

DarkViolet said...

Alisson da Hora:

Ela tem trovões de magia, embebeda os sentidos deixando cada feitiço nos contornos da Alma, dentro dela.Obrigada


Lúcia Machado:

O Homem procura tantas coisas, e as mais belas tem-as tao perto. A exploração do Eu, quase sempre esquecida pelo infinito
Tem algo de profundo, algo que consome a Alma.



Um Olhar:

É dificil toda uma leitura entrar ao mesmo ritmo num Ser. As vivências sao diferentes que faz com que o pulsar das palavras ecoa de forma diferente. É sempre bom o contagio das sensações
Bom fim de Semana


AnaLuísa:

A sensação mais simples é a busca do Eu. a sensação mais complicada é a busca do Eu. Muitas formas de trilhar o caminho, sempre na busca de algo mais profundo
Obrigada


DarkSoul...:

Pode ter sido um trovão:)Neste caso é a cuva que ilumina as gotas, semente do tempo

MagnetikMoon said...

O ribombar da Alma é arena intemporal, só se alcança a paz quando se aprende a sentir a chuva na nudez interina da Água.

Magnetik*

DarkViolet said...

MagnetikMoon:

Quando se atinge esse estado, já se está à procura de outro estado, assim se rasga, assim a humildade procura um lugar mais sereno