Thursday, December 18, 2008

Mais de 40 Homicídios...

Há o sentido do vazio quando se chega ao ponto final da existência. Pode-se ponderar vários factores nessa turbulência, equacionar o impossível, transformar a realidade em ficção; com algum apetite voraz pode-se acreditar na continuação da vida para além da morte duma forma ou de outra. Nesse cenário tudo é realizável para quem aí chega.
Agora quando o homem (versão masculina) se apodera dos corpos alheios, da sua companheira, da sua amante, da sua mulher (ou qualquer sinónimo possível que acham mais plausível), e daí passa para a carnificina pura e dura, assassinando a mulher, a ele, ou até os filho (s) a questão passa para um pensamento de posse injustificada.
Como se poderá chegar a esse ponto de acção?
Complexo sem dúvida. Tentarei em breves passos explanar alguns acontecimentos que provocam tal acto. Haverá mais, não duvido de tal, mas acho estes os mais importantes.

- O controlo de todos os movimentos seja feito na sombra, ou com uma venda nos olhos num estado despido (controle mendigado), ou até ao ponto máximo do auge, controlar obsessivamente todos os passos sem descrição. Nisso tudo existe durante a fase do relacionamento, fases intermédias em que se faz um pouco dos três, a baralhar completamente estados emocionais.
-Discursos com visões completamente opostas, feitos em momentos diversos. O homem acaba por ter de mudar a sua visão, sem se aperceber do ridículo da situação, nem pondera tal facto. Todas as perspectivas têm de encaixar na sua versão, se isso não acontecer irá tomar partido da opinião da mulher para não a perder. Incoerência do deambular das palavras.
- O diálogo é a miragem. União baseada no monólogo, aceite e quando questionado pode levar a um mal-estar no relacionamento, perspectiva mais positiva.
- Motivações do “casal” completamente opostas que de um momento para outro coincidem em todos os pontos. Quando o relaxamento das pessoas acontece, aparece as divergências, tentando de novo a coincidência. Tal coincidência é forçada, e não realizada com a pureza da Alma.
- A agressão física vista como algo normal. Começa por pequenas pancadas, subindo o tom até se tornar insuportável. Arrependimento precoce pelo acto de agressão, perdoado pela mulher. Continuação desses actos. Ciclo vicioso. Isso pode-se aplicar também a agressões ditas psicológicas.
a) Poucas agressões – ruptura.
b) Muitas agressões – ruptura.
c) Muitas ou poucas agressões – aceitação.
- Questão dos filhos leva muita das vezes à aceitação dos acontecimentos. A ruptura não acontece para dar Amor ao(s) novo(s) Ser(es). O homem vê isso como ideal para continuar a absorver um relacionamento fictício, mas real para ele.
- A pressão do endividamento familiar ou a dependência financeira de um em relação ao outro, leva ao continuar da ligação. Tensão violenta do poder económico, e muitas vezes a manutenção do Status Quo.
- Criações de ilusões impossíveis de realizar para ambos. Imperceptibilidade da incompatibilidade, levando ambos para uma utopia ilusória, trajecto composto de miragens inalcançáveis.

Quando a ruptura acontece desencadeia-se um repouso falso. O homem tenta aperceber-se a causa que desencadeou tal acontecimento, por vezes auto culpando-se, ora pondo a perspectiva de haver outro homem na vida da mulher, ora culpando a mulher por não ser honesta em sentimentos e actos. Tenta a reconciliação abordando a perspectiva sentimental. A promessa é feita na perspectiva de um retorno a um “paraíso” do começo longínquo. Torna-se obsessivo no intento, chegando de forma camuflada fazer o que já se fazia no relacionamento. Um camaleão camuflado muito mais perigoso, um predador sem escrúpulos, tudo vale até se humilhar perante ele próprio e das pessoas que o rodeiam. É o controlo mendigado feito com muito mais astúcia do que na situação do relacionamento. Torna-se aí irracional, completamente desprovido de valores, sendo a posse do seu objecto (a mulher) o único objectivo a conseguir. Não irá parar até isso acontecer, seja duma maneira ou de outra. O sufoco será tanto que desencadeia reacções diversas. Irei somente salientar uma, em que a mulher decide conscientemente com ela própria, recomeçar a sua vida noutro lugar. Leva a sua determinação, vontade e sentimento até onde ela plena de si sabe o melhor para ela, onde ela desejar. Tudo isso leva a um choque gigante no homem. Pensando para ele próprio, e por vezes dizendo a ela (maior pressão – descontrolo quase total):
“ Ela não vai sobreviver”
“Vou-lhe fazer a vida negra”
“Planos para que os amigos em comum a odeiem, não voltando a falar com ela”
“Irei vigiar cada passo dado por ela, aqui, ali, em todo os lados possíveis”
“Tu vais voltar para mim, tu sabes disso”
“Fomos feitos um para o outro. Ninguém nos vai separar”
“Não tens capacidade físicas, nem psicológicas para ser atraente”
“Amo-te. Tu também me Amas”
“Ai de ti arranjares outro homem”
Resultado:
A mulher ignora-o, ele não aceita.
A mulher refugia-se no mundo dela, ele não consegue lá ir.
A mulher sobrevive, ele planeia o afogamento económico dela.
A mulher cria laços de amizade, ele vê relacionamento amoroso.
A mulher apaixona-se, ele congemina um plano final.

Racionalmente aproxima-se dela por a dita “amizade” e o homicídio é realizado. Irracionalmente assassina tudo o que rodeia. Tudo que alguma vez pudesse significar algo. Ela, ele, filho, filha, mãe, pai, companheiro actual dela... Um ponto final dado insipidamente, sem dar o valor a si mesmo, nem à sua vida.

Este homem irracional desprovido de qualquer auto estima, amor-próprio, orgulho, sensatez, objectivo de vida diversificado, destaque-se pela brutalidade do fim simples. Inacabado no seu vazio, aposto que nem os vermes o desejarão devorar na terra.
Aos mais de 40 homicídios acontecidos em Portugal no ano de 2008 é revoltando a condição do homem para chegar a esse ponto. Se a mulher quer criar a sua vida de outra forma, deixai-a ir. Cada Ser é único, merece o estado que procura. Se ela não o encontrar, terá o trajecto feito na procura de outra forma. Se ela encontrar será feliz, o que deveria trazer para o homem satisfação. Não há maior prisão do que sentir ter feita a escolha errada, e não é preciso estar a esbofetear isso como se fosse comida. Todo o ser humano sabe das escolhas erradas durante a sua existência (há uns que não sabem, mas isso está dependente da falta de QI), sendo o erro característico do ser humano. Provocar a germinação da vida tem ser uma constância, não a sua decapitação por um acto obsessivo e duma irracionalidade atroz. Para isso, um suicídio é um acto com mais valor, tanto a nível de números de mortes, como de implicações de tirar a vida a outra ou outras, apesar de não trazer tanto lucro para as agências funerárias (humor negro).
A vossa batalha deve ser o esplendor da vossa essência, nada mais; sendo isso um objectivo puro e válido para uma eternidade de aconchegos ao fôlego permanente.

10 comments:

Alisson da Hora said...

Reflexão lúcida e acertada... mas, fica outra reflexão: se 40 homicídios anuais (levando-se em conta tal contexto - brigas conjugais, nos quais as mulheres sempre levam a pior), chocam-te, que diria do Estado de Pernambuco (que um dia foi chamado de Nova Lusitânia) no Brasil, quase do mesmo tamanho que Portugal, com uma população de 8 milhões de pessoas (pouco menos do que Portugal)no qual, durante o ano, até agora, 268 mulheres foram assassinadas por companheiros, esposos, namorados, etc, etc, etc?

A irracionalidade aqui, infelizmente, é infinitamente maior.

Somos quase bárbaros.

abraços

DarkViolet said...

Alisson da Hora:

Sem dúvida que é preocupante. Apesar de tudo em Portugal existe menos criminalidade. 268 São mais que seis vezes mais que os 40!!! Números astronómicos. A barbaridade culmina em situações de falta de respeito ao próprio Ser humano. Se não se dá valor à vida torna-se difícil ter alguma racionalidade. Não se ensina as pessoas a pensar, a Amar, a respeitar, a aconchegar, a abraçar, etc... infelizmente a intensidade de Amar não chega de forma sincera a muita gente

bat_trash said...

Uma reflexão lúcida e de triste constatação.
Medidas preventivas e ostensivas devem ser tomadas com urgência por parte do governo.


Bat Kiss.

DarkViolet said...

bat_trash:

Não só pelo estado. O próprio Ser tem que criar mecanismos de evolução, respeito, educação, entre outras. Não se pode espalhar perfume se não pétala não existir odor de pureza. Valorizar o eu individual para saber dar

Gothicum said...

"Há sempre, nas mais sinceras confissões das mulheres, um cantinho de silêncio. "
(Paul Bourget)

...um silêncio fundo...e um mundo desprezível que as rodeia, sufoca e mata. Escrito ímpar. Abraços.

Fragmentos Culturais said...

... não me chocou o que li porque a 'bruteza' dos números eu conhecia-a, infelizmente :(

Não consigo comentar! É uma realidade que me provoca náuseas! E pensar que nada muda este rumo...


Estes dois meses foram desesperantes de afazeres! Daí o meu imenso atraso!

Voltarei antes do Natal! Pertences ao grupo de 'meus' amigos! Imprescindível para mim...

... pelo olhar sempre atento em 'fragmentos', sensibilizada!

Anonymous said...

Lobo...

Há muito que não vinha ler as tuas demências...e fiquei deliciada. A tua essência é um doce labirinto...onde já me deixaste embrenhar nessas maravilhosas teias e num luar que tanto nos diz...embalados por ela "descobrimo.nos"...
Não é preciso fazeres anos para que te sorria...tantas vezes me lembro de ti e sorrio ao pensamento e lembranças de noites passadas... Só tenho dificuldade em recordar a tua suposta voraz dentada....coisita leve que mal senti, apesar do teu esforço :)) Mas as minhas marcas permanecerão na tua carne....será algo que nos une sempre...e com luar.
Uma dentada voraz no teu pescoço doce...gosto muito de Ti. Beijo

Loba *

DarkViolet said...

Gothicum:

O silêncio que muita das vezes está amordaçado, não conseguindo libertar-se da prisão. É necessário haver uma respiração livre, condicionada somente pelo Ser que faz seu trajecto


Fragmentos Culturais:


Mais brutal foi o que disse o Alisson, sendo a realidade que exprimi um facto chocante devido ao perto de nós está. Compreendo que não consigas comentar, mas quanto mais falado é, mais poderá sensibilizar as pessoas que chegam a esse patamar da não existência.


Anonymous:

És sempre bem vinda Loba. Este labirinto é feito para ser percorrido, pensado e sentido;) Esta demência deste post acaba por ser mais cruel que os outros posts, mas tinha necessidade de a escrever. A união do luar percorre sempre os Seres nessa amizade, que é o nosso caso. A tua memória é que está fraquejar ehehe Também gosto de ti Amiga Loba

MagnetikMoon said...

Há seres que não sabem Ser.Não sabem alcançar a grandeza da humildade de saber aceitar o próximo.De respeitá-lo.

Magnetikiss;)

DarkViolet said...

MagnetikMoon:

Principalmente de respeitar a si próprio. O Ser começa em si próprio, prolonga-se para a extensão que o complementa, a natureza. O suicídio pode até ser um atentado para eles, se não sabem Ser