Saturday, July 25, 2009

Mergulho no Brilho

Folhas orvalhadas no dorso da colina
Regam a pele, regam o céu…
Nos pingos com sabor a remoinho
O carinho da corrente ondula
Junto da arqueada ponte

Descai o mergulho das mãos
No assento dos lábios.
Veneno cava sozinho
O absorver das silhuetas
Impregnadas

A Muralha sente o fluxo
Da ampulheta.
Devorar a Alma
Devorar a essência
Devorar o horizonte do mar
No brilho intenso do Tear das luzes

*Dedicado ao Funicular dos Guindais, Porto

15 comments:

Evelyn said...

"no assento dos labios veneno cava sozinho"

muito forteeee...e intensas palavras como sempre vc arrasa!!

tenha um lindo fds!
beijos enormes!

Evelyn said...

ops ass:Anjo vermelho

Um Olhar said...

Lindo...A tua escrita, envolve-nos num turbilhão maravilhoso de sentires... As palavras perdem o limite com tua imensidão!

Bjs para ti,
Fatima

Davi Machado said...

Fascinate arte! muito bom mesmo, estes versos brancos estão por demais coloridos, cores da noite e do tempo!

grande talento e versatilidade!

Blizard Beast said...

Escreves de uma maneira simplesmente sublime.

Gothicum said...

...nem mais, está tudo dito no que escreveste! Abraço

António Rosa, José said...

Dark

Gosto da tua escrita: intensa e arrebatadora. Já estás na minha 'Comunidade'.

Abraço.

Isaura Pereira said...

Sem duvida que quando por aqui se passa vai-se balado ;)

Continua com a tua forma de escrever ... arrebatoadora ;)

Boa semana

Äмbзr Gïrℓ ⅞ said...

lindissimo. traços simbolistas. descrição onírica.

Blog Suicide Virgin

Claudya said...

Profundas palavras. Funicular dos Guindais é um local em Portugal?.. bjs.

Fragmentos Culturais said...

... bem! Fizeste-me descobrir um aspecto do Porto que desconhecia por completo!

Lindo o trajecto, suponho eu... depois de ler este teu poema impregnado de afectos que se envolvem ao longo da viagem!

Sempre atento a 'fragmentos'! Sensibilizada!

Agradeço o 'lembrete' que me fez descobrir uma discografia divinal!!

Duas 'descobertas' numa noite ;)

DarkViolet said...

Evelyn:

A intensidade é sempre medida em comparação ao sopro do vento, e ele cria semrpe ventanias nas palavras
Obrigada


Um Olhar:

O remoinho das sensaçõs tem que existir para criar a ampulheta das divagações
Obrigada


Davi Machado:

A versatilidade da escrita depende da transmissão, e os teus poemas conseguem ter ciclos intensos. Quanto a mim é a mistura embriagante:) Obrigada


Blizard Beast:

Talvez o sopro com asas...
Obrigada


Gothicum:

Por acaso queria dizer algo mais: A queda abrupta no inferno toca as vertingens:)

DarkViolet said...

António Rosa, José:

Obrigada. A escrita é uma boa veia de comunicação


Isaura Pereira:

É uma dança que cativa as sensações no silhueta da paisagem. Todos os pigmentso tem odores basta ter vontade em procurar


Äмbзr Gïrℓ ⅞:

DEscrição dum local na tela das palavras voadoras


Claudya:

Sim, em Portugal, Porto. Tentativa de embriagar palavras com descrição


Fragmentos Culturais:

Este mundo acaba por ser isso, transmissão de conhecimento de forma a provocar estados mais perto do complemento da Alma. Ainda bem que pude ajudar para tal

MagnetikMoon said...

O sabor das ondulações,as cascatas que impregnam as pedras, o odor do horizonte amplo que se descobre nas terminações nervosas da ampliação da paisagem...:))

Magnetik*

DarkViolet said...

MagnetikMoon:

A paisagem amplia o horizonte onde as Almsa quiserem. e a cascata dos voos das folhas mergulha em remoinhos para que as pessoas apreciem a beleza