Wednesday, December 13, 2006

Descida ao Céu


Por caminhos de pedras, a água escorre por dentro dos musgos, rasgadas nas folhas outonais o vento leva aos muros as cascatas voadoras. Abre-se os bicos das aves, e os cantos dos charcos, dilui-se as cores, corre-se para o fogo com vestes de telhados de ramos.
Percorro só este caminho estreito, selvagem na delícia da pedra encharcada, agreste na silva que decota minha pele. Os pés encolhem-se no entrelaçado da vegetação, pintalgando o rosto de entranhas para suavizar a descida ao céu. Formam-se remoinhos no meu altar, descascado em ternura pelos odores das valas abertas. O esplendor do único sentimento rasga a Alma, cortejando espinhos de verdura, naturais como vitrais onde desaguam sorrisos. Ninguém chapinha nestes cordéis, enfiados nos filamentos de labirintos. Cego das asas que se seguram, levanto voo...

4 comments:

Klatuu o embuçado said...

Afinal já descobri as prosas... ;)

P. S. Esquece aquilo lá em baixo. Uma amiga insistiu em comentar, enfim.
Não vou andar a discutir com essa senhora pateta no teu espaço. Aliás, a criatura é-me indiferente.

Abraço.

missixty2000 said...

Klatuu ou lord erewhon, se te fosse indiferente nem te davas ao trabalho de mandares amigas defender-te o " cu"!!! Que tu era rabeta já eu sabia, agora aqui o Darkinho acho estranho!Se o é finge bem......eheheh
beijos homens vestidos de preto

DarkViolet said...

Ai!!!!

Lord of Erewhon said...

Enfim.