Saturday, December 16, 2006

Sopro

Gelado, quebrado, vidrado...
Bálsamo de tentações a fumar na bruma.
Torcido, entretido, esquecido...
Armazenar pigmentos nos raios lunares.

Retornais às lanças de círculos, aos pesadelos
Da busca incontornável do pó...
Sentis a vontade ao cair das tentações,
E aí levantais o sopro das falésias...

As marés tocam os pés…
A minha saliva arde…
E entretanto faço tapetes projectados nas sombras
Num Crucifixo de gelo dissolvido...

3 comments:

Alisson da Hora said...

eu quero o seu livro assim que você o publicar...

"E entretanto faço tapetes projectados nas sombras
Num Crucifixo de gelo dissolvido..."

sublime...

beijos

a.h.

Paulo Sempre said...

ok..."gelo dissolvido"...

DarkViolet said...

Alisson da Hora::

Qual livro? eheheheh
Tenho aqui um poema contínuo de herberto helder:)

Paulo Sempre::

ok...