Friday, December 29, 2006

Areia

A simbiose reflectida nos ossos especula sobre os odores. Caracterizar as pétalas dedilhadas, a dança das luas nos cordéis, até a magia da água transbordar na arte das falésias. Navego nestas imagens, perfuro a liberdade da levitação, não esqueço a essência que me faz flutuar. Simplesmente ponho os remos no altar, a mão em cima da outra, e pinto o pó para moldar o ar. Os relâmpagos rompem num tom roxo, o cachecol enrola o calor, os dedos aquecem as velas e os meus aposentos gelam.
As gotas irromperam nos anéis, escaparam por fios soltos pendurados num traço de estrelas. Caminham por um destino que não compreendo mas que o silêncio ajuda a matar. Esse vazio preenchido que não rega os fragmentos, deixando-os apenas a soluçar na escuridão. Quem segura cada brilho têm a solução, no bolso da imaginação.

“Que na tua árvore de Natal brilhe a magia, o amor, fé, vontade, desejo, liberdade, sucesso, a felicidade e um novo ano de luz e esperança”

Ao dormir os sonhos apoderam-se de mim e vejo uma árvore descaída pelo monte. Grandiosa nos seus ramos, nos enxertos que povoam cada estrutura de feitiços e nas folhas de variadas cores. Por vezes encanto-me nas tentativas de fazer crescer novos ramos, diferentes ou contagiantes. O rasgo feito na superfície, a moldura de terra que se esboça para evoluir, os diversos tamanhos de encaixe e o tronco grosso permanece a levar com o vento de furacões. Alguns enxertos partem-se, partem, viram perda ou pedra. Por vezes florescem sem saber como nem onde, alguns caem e nascem nos pés do grosso tronco. Ainda há outros mesmo estando metido numa essência confunde perfumes. Há múltiplas variedades de raízes na terra e no ar. Mas....

A areia gelada
Ardia no fogo de artifício...
Abismos de calores
Falésias de silhuetas...


Viva o ano 2007 que começou há uns milhões de anos atrás.

4 comments:

Mr_Lynch said...

Darkviolet;
Começou há muitos, mas muitos milhões de anos atrás...
Abraço

Anonymous said...

Sem dúvida q o teu espaço é peculiar... embora os textos q vais deixando fluir, espalhem palavras de sensibilidade numa miscelânea de sentires. Ninguém consegue ser só nihilista! Os próprios filósofos e escritores q defenderam/defendem essa/esta corrente, acabaram/acabam tantas vezes por 'abrir brechas' na sua própria filosofia, quer na escrita, quer no 'modus vivendis'.
Tu ñ foges a esse princípio!
Apesar de tanta solidão, [qual a alma sensível q a ñ sente?!?], tanta amargura [qual o ser q ñ transpira amargura perante tantos 'pontapés' da vida?!?], tanta revolta [qual o ser q a ñ tem ao canto da boca, dp de tanto sofrimento e mal-fazer causada pelos seres a quem queriam bem e o atraiçoaram?!?], tu deixas vislumbrar afectos contidos, pq 'maltratados', ternura no modo como vês a natureza q te envolve!

Pois eu vim... ñ esqueci ao q vinha... deixar mt sensibilizada meu agradecimento pelo poisar de teu olhar 'nessa nesga q ainda reservas para o bem e para o afecto' em meu espaço.

Ñ sou mais optimista do q tu! Tenho plena consciência do mal q percorre o mundo, mas devo deixar caídos meus pessimismos perante o Homem absurdo q hj temos a vagabundear... e vislumbrar mt para além do Horizonte um Mundo feito de bondade, paz, afectos para todos nós.
Ñ iria começar o ano da mm maneira q terminei! Sem coisas boas!
Não!! Ergui minha sensibilidade maior e deixou escorrer palavras de esperança q tb desejo para todos os seres e ardentemente para mim!

Quem sabe um dia ñ tens a 'lua' sentada a teu lado, sorrindo?

missixty2000 said...

uiiii, que horror!!!Refiro-me à imagem...eheheh

DarkViolet said...

Mr_Lynch:

E nós seres humanos andamos com números tão pequenos (2007)

Miosotis:

Abrir fendas, fechar fendas, fazer uma mistura de odores, tudo isso acaba por ser sabores que dedilham este peito. Deixo entrar furacões para atormentar meu ser :D. Eu acredito sempre em algo por isso nao devo ser nihilista. A esperança será sempre uma ancora para ser levantada e por vezes sepultada.

missixty2000:

Está um pouco distorcida mas dá para ver quem é eheheheh