Thursday, February 23, 2006

Medusa

Múmia de mim, sagrando
Vestido com a pele rasgada,
Seguro o destino cantando
Na impaciente alma, desenrolada...

Medusa de fino seio,
Minhas vestes de perfume derramam-se,
Pinto petrificado a tela do caixão
As linhas das pautas glorificadas.

Roxo no aroma, preto na essência
Mergulhado como punhal,
Tremo sólido como estátua,
Olho vergado o caudal.

Nas cordas de violinos, nas teclas soltas,
Magma que arde insaciável,
Vertigem sedutora.
As impacientes linhas do nosso cheiro suspenso...

2 comments:

Kali said...

Medusa... nome dum reflexo em tempos passado... pelo nome que em tempos me fez olhar-te pela primeira vez... obg por me lembrares dele...

DarkViolet said...

- :)

- :)